MINISTRO DA DEFESA DEFENDE O INDEFENSÁVEL

Jaques Wagner

Reprovável a posição do ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), de pregar a permanência do tesoureiro do PT, João Vaccari, no cargo e no partido, apesar de ter sido preso na Operação Lava Jato. Wagner quer o companheiro comandando as finanças do partido de dentro da cadeia, “até que se concluam definitivamente as acusações”.Na defesa de gente suspeita, ele lança dúvidas sobre o trabalho de instituições tão respeitadas no Brasil quanto a Justiça Federal, a Polícia Federal e o Ministério Público, algo impensável para um ministro de Estado. Com esse tipo de comportamento o ministro fica com a sua autoridade questionada junto as forças armadas.

Por: Antonio Imbassahy